Os 10 escritores mais bêbados da literatura

Posted on 31 de Janeiro de 2010

0


1 – Edgar Allan Poe: O cara sempre gostou de uma birita, mas quando sua mulher, Virgínia Clenn começou a sofrer com a tuberculose que viria a lhe matar, é que o cara entornou ainda mais;

2 – Sthepen King: é parece que o álcool afeta os miolos e dá uma inspiração danada para histórias macabras. King se confessou alcoolotra por mais de uma década, e que ainda Jack Torrance de O iluminado foi uma inspiração em sí mesmo;

3 – Jack London: Um manguaceiro imoderado, cuja vida desregrada levou-lhe a sérias complicações. Morreu com uma overdose de morfina, um triste fim para o homem de infância tumultuda, e de experiências difícis da vida;

4 – Raymond Chandler: Em 1932 Chandler ocupava a vice-presidência na Dabney Oil Syndicate, uma empresa petrolífera em Signal Hill, Califórnia, mas acabou por perder este emprego bem remunerado devido a problemas de alcoolismo.Para piorar quando sua companheira Cissy Pascal faleceu, Chandler, afundou ainda mais no alcoolismo;

5 – Oscar Wilde: o escritor irlandês teve uma vida social agitada e extravagante. Suas aventuras amorosas homessexuais o levaram a prisão. Levantava canecos como ningém, o que inclusive agravou seu ataque de meningite.

6 – Nelson Rodrigues: O brasileiro de origem de classe média que tratou a perversão em grande parte de suas obras, era sabidamente um boêmio, com noitadas regadas a muito whisky e cigarros;

7 – Charles Bukowski: O garoto mau da literatura norte-americana, levou o estilo ébrio de ser às últimas conseqüências também fora das páginas. Perdeu emprego, todo o dinheiro, mulher e filhos e terminou morando na rua. Só depois de muitos anos, quando seus livros atingiram algum sucesso, conseguiu se restabelecer na vida.

8 – Francis Scott Fitzgerald : Um dos maiores escritores americanos, como ele próprio sabia foi pego pela bebida.Sua saúde foi afetada fortemente pelo alcoolismo.

9 – Alexandre Dumas: Talvez o criador de Os três mosqueteiros seja mais lembrado por suas extravagâncias e a falta de tato ao lidar com dinheiro, mas é fato que em seu château estava sempre cheio de pessoas, e com recpções regadas a bebida é claro;

10 – Mario Quintana: O poeta gaúcho que viveu grande parte de sua vida em quarto de hoteis, não tinha grana, e mantinha uma relação estreita com o copo. Certa feita um amigo ao cruzar com ele num bar pela manhã perguntou-lhe – Já bebendo, Mário? E o poeta respondeu-lhe – Já, não. Ainda.

Fonte: Testosterona

Posted in: Sem categorias